A dinâmica do gasto parlamentar…

Senadores que têm parentes próximos como candidatos lideram despesas em transporte e estadias

Dados do Excelências (www.excelencias.org.br), projeto da Transparência Brasil que reúne diversas informações sobre parlamentares brasileiros, indicam que os três senadores que apresentaram mais gastos em transporte e estadias este ano têm familiares próximos na disputa das eleições.

As despesas são pagas com dinheiro dos parlamentares mas eles são posteriormente reembolsados – é a chamada verba “indenizatória”, estipêndio a que cada parlamentar tem direito, supostamente para apoiar a sua atividade no Legislativo.

Enquanto em média os demais senadores têm gastos de R$ 39 mil em transporte e estadias, Romeu Tuma (PTB-SP), Mão Santa (PMDB-PI) e Jayme Campos (DEM-MT) apresentam despesa média de R$ 101 mil.

Os três senadores têm familiares próximos envolvidos nas eleições deste domingo:

· Romeu Tuma, gastos de exatos R$ 105 mil, tem um filho – Robson Tuma – candidato a vereador de São Paulo;

· Mão Santa (PMDB-PI), despesas declaradas de R$ 104,7 mil, tem a mulher, Adalgisa de Moraes Sousa, candidata a prefeita de Parnaíba, no Piauí; e

· Jayme Campos (DEM-MT), gastos apresentados de R$ 94,9 mil, tem um irmão – Julio Campos – candidato a prefeito de Várzea Grande, no Mato Grosso.

Os 75 senadores que se utilizam da verba indenizatória para ressarcir despesas com viagens já embolsaram nesse item R$ 3,1 milhões desde fevereiro.

No total, os 77 senadores que se utilizam da verba “indenizatória” já gastaram desde fevereiro R$ 6,6 milhões (além de viagens, os parlamentares também são indenizados por gastos com aluguel e consultoria, entre outros itens).

Para ver a relação completa dos gastos de cada senadores com a verba dita “indenizatória”, acesse http://www.excelencias.org.br/@resumo_verbas.php

Contato 11 3062 3436

Fabiano Angélico, coordenador de projetos

Ah, vidinha boa…

Faz tempo que a esquerda comanda o município de BH. Que tal saber mais sobre seus vereadores?

 

Dados sobre vereadores de Belo Horizonte já estão disponíveis no projeto Excelências, base de dados sobre políticos eleitos publicada pela Transparência Brasil

 

No ano em que os eleitores vão escolher os novos vereadores e prefeitos, o projeto Excelências passa a disponibilizar dados sobre vereadores de todas as capitais brasileiras.

O Excelências é uma ferramenta voltada para proporcionar aos eleitores um melhor conhecimento sobre os ocupantes das principais Casas legislativas do país. Muitos dos vereadores constantes no projeto da Transparência Brasil tentarão se reeleger em outubro deste ano.

Após a inclusão de informações sobre os vereadores de São Paulo e do Rio de Janeiro, o Excelências publica agora dados sobre os parlamentares de Belo Horizonte. As demais 23 Câmaras das capitais brasileiras serão contempladas na seqüência.

 

Números da Câmara Municipal de Belo Horizonte

  • 10% dos vereadores de BH têm pendências na Justiça ou foram punidos por Tribunal de Contas;
  • 12% dos vereadores são sindicalistas;
  • 10% dos vereadores são evangélicos;
  • 5% dos vereadores são policiais;
  • R$ 113 milhões é o orçamento da Câmara de BH para 2008;
  • 22% é a alta no orçamento deste ano em relação a 2007;
  • É o quarto maior reforço orçamentário entre as Câmaras Municipais das capitais brasileiras e o maior incremento entre as Casas das capitais do Sudeste;
  • R$ 2,7 milhões: é o que custará a manutenção do mandato de cada vereador em 2008;
  • R$ 46,84: é o montante que cada contribuinte de BH desembolsará em 2008 para manter a sua Câmara Municipal.

 

Outras informações reunidas no Excelências

  • Menções em reportagens jornalísticas sobre corrupção;
  • Perfil do financiamento eleitoral nas eleições de que o vereador participou;
  • Nome completo, endereço eletrônico (e-mail) e CPF;
  • Histórico de filiações partidárias;
  • Cargos relevantes ocupados no passado.

 

Transparência zero

A Câmara Municipal de Belo Horizonte não publica na Internet informações a respeito do uso de verbas de gabinete de seus integrantes nem divulga dados sobre viagens realizadas pelos parlamentares. A Câmara também omite dados sobre se os vereadores comparecem ao trabalho no Plenário e nas Comissões.

 

Contato: 11 3062 3436

Fabiano Angélico

Cláudio Weber Abramo

Propaganda gratuita

A Transparência Brasil (www.transparencia.org.br) anuncia o estudo “Orçamentos do Poder Legislativo”, em que se analisa a evolução do orçamento deste ano em relação a 2007 nas principais Casas legislativas brasileiras e destaca o comportamento dos parlamentares de algumas dessas casas.

 

Algumas constatações do estudo:

 

·         O mandato dos vereadores na Câmara Municipal do Rio de Janeiro é mais caro do que o mandato de deputados estaduais em 20 Assembléias Legislativas.

 

·         O mandato na Câmara Municipal de São Paulo é mais do caro do que o mandato em 19 Assembléias Legislativas.

 

·         Cada mandato de senador consumirá este ano R$ 34 milhões dos cofres públicos, e cada mandato de deputado federal custará R$ 6,9 milhões.

 

·         Em quatro Casas legislativas — Câmara do Distrito Federal, Assembléia de Minas Gerais, Assembléia do Rio de Janeiro e Assembléia de Santa Catarina —, o custo por parlamentar é maior do que na Câmara dos Deputados.

 

·         Em 2008, três quartos das Casas legislativas em âmbito federal e estadual e de capitais de estados terão mais dinheiro em caixa em relação a 2007.

 

·         Entre os Legislativos com orçamento maior este ano, onze Casas têm mais de 30% de seus parlamentares punidos por Tribunais de Contas ou citados na Justiça em processos criminais.

 

A íntegra do estudo em formato PDF pode ser baixada no sítio da Transparência Brasil (www.transparencia.org.br).

Pronto, cumpri meu dever.