Quer menos jornalistas assassinados? Então aumente a liberdade de imprensa, econômica, política, etc

Tristes trópicos brasileiros…

Um jornalista publica hoje que:

Um levantamento publicado hoje pela entidade PEC (Press Emblem Campaing), com sede na Suíça, aponta que apenas o Iraque registrou um maior número de mortes de jornalistas que o Brasil em 2014.

Os dados revelam que cinco jornalistas foram assassinados no Iraque nos três primeiros meses do ano. Já no Brasil, o número chegou a quatro, o mesmo que foi registrado no Paquistão.

O número de mortes no Brasil seria ainda superior ao que foi registrado na Síria, país em plena guerra civil e com dois mortos, ou no Afeganistão com 3 mortes.

Não é uma notícia assustadora? Pois é. As pessoas estão aproveitando a oportunidade narcísica de se fotografarem semi-nuas para falar de estupro com base em uma pesquisa cheia de problemas metodológicos – já divulgados amplamente pela imprensa – mas não parecem ter o mesmo ânimo quando o assunto é assassinato de jornalistas (ou assassinato de pessoas na Venezuela).

Sabemos muito bem por onde passam as soluções possíveis mas…

Em outras oportunidades, neste mesmo blog, pude mostrar que a liberdade de imprensa é parte do pacote maior das liberdades (ver aqui e aqui). No mínimo, uma correlação positiva entre as duas parece resistir ao passar dos anos. Claro, eu poderia citar alguns artigos e, para você não ficar na vontade, eis um deles.

Who Owns the Media?
Simeon Djankov, Caralee McLiesh, Tatiana Nenova, Andrei Shleifer
NBER Working Paper No. 8288
Issued in May 2001
NBER Program(s): PE
We examine the patterns of media ownership in 97 countries around the world. We find that almost universally the largest media firms are owned by the government or by private families. Government ownership is more pervasive in broadcasting than in the printed media. Government ownership of the media is generally associated with less press freedom, fewer political and economic rights, and, most conspicuously, inferior social outcomes in the areas of education and health. It does not appear that adverse consequences of government ownership of the media are restricted solely to the instances of government monopoly.

Algumas pessoas, que não gostam de evidências empíricas, preferem defender a maior monopolização dos meios de comunicação nas mãos do governo com um argumento tão infantil quanto ingênuo e maquiavélico de que “nas mãos do governo a coisa fica séria, há pluralismo, não há grupos de interesse no comando”. Curiosamente, são os primeiros a se revoltarem com as denúncias de corrupção no governo. Apelam, sempre, para um mundo mítico no qual existe um bom selvagem rousseaniano, tudo depende da boa vontade política, das boas intenções, dos anjos, e o Papai Noel é vizinho dos duendes.

…preferimos defender a intolerância ao discurso que não nos agrada.

Nesta semana vimos alunos de uma faculdade pública de Direito – não é em uma faculdade “pública” que deveríamos proteger o pluralismo das idéias sem a ação do “frio e insensível setor privado aliado ao mercado neoliberal”? – praticamente agredirem um professor que tinha uma opinião diferente da deles. Sim, o sujeito defendia a Revolução de 1964 (ou o golpe, como queiram) e nem todos concordam com a defesa ou com os argumentos utilizados. Mas o fato é que quem ataca o professor hoje, amanhã, está muito mais propenso a assassinar jornalistas (ou a censurar “biografias não-autorizadas”…).

Vamos nos lembrar de algumas evidências empíricas preliminares?

Sim, os gráficos são oriundos dos posts anteriores e, sim, eu acho que eles são uma pista muito importante sobre o que acontece quando tomamos posição contra a liberdade de imprensa ou contra a liberdade econômica e isto não depende de o sujeito ser “de direita”, “de esquerda”, “comunista”, “admirador de Che”, “fã de Costa e Silva”, “defensor de Fidel Castro”, “tucano”, “petralha”, etc. As evidências apresentadas neste gráfico são para países. São padrões, por assim dizer, médios. Transcendem a questão das preferências dos indivíduos por este ou aquele político ou por este ou aquele projeto de governo. Faça a si mesmo a pergunta: e se Amarildo fosse venezuelano?

As evidências, como já discutido antes, são de que a liberdade de imprensa vai junto com as outras liberdades. Ao contrário do que muita gente pensa, mais liberdade econômica não é sinônimo de mais assassinatos de jornalistas ou de censuras (que governo, na América Latina, mais “pede” para o Google retirar conteúdo, ameaçando diretores com ordens judiciais e outros instrumentos legais?).

brazil_marcocivilnada

 

Curioso né? Nosso governo fala do Obama, mas faz o mesmo. Mais ainda, não consegue proteger jornalistas de assassinos, mas é bem eficiente em tentar retirar conteúdo da internet. Há algo errado aí, não há?

Ah sim, veja aí como foi em 2012.

brazil_marcocensurador

Nem Obama, nem NSA: viva o governo brasileiro! Falou algo que alguém não curtiu? Que você seja calado! Não calou? Bom, o jornalista aí citado no início mostrou uma outra forma de solucionar o problema…

Infelizmente…

Não adianta discutir com quem tem duplo padrão para avaliar o papel das instituições. Tive um colega que participava do grupo de jovens da igreja do bairro. Após entrar na faculdade, o sujeito entrou para um partido de esquerda e me disse, uma vez, que tudo que ele lia, tentava ler na ótica do partido, separando “o joio do trigo” segundo o critério do partido (ele se transformou em militante, destes que só fazem ativismo e não se formam nunca…não sei nem se se formou).

É natural que existam pessoas com menor capacidade analítica e que se achem cidadãos mesmo que não sejam bons em raciocínio lógico mas, convenhamos, cidadãos sem raciocínio lógico são pessoas que não conseguem raciocinar e são facilmente manipuláveis pelos que não têm a mesma dificuldade. Agora, honestamente, manipular cidadãos é cidadania? Não sei. Mas sei que, sim, faz parte da lógica política e é por isto que tanta gente honesta se afastou da política…

Pergunta do dia


O que faria a “guerrilheira” Dilma Rousseff e seu grupo, se naquela época houvesse a Lei do desarmamento ?

Ela e seu grupo desistiriam da ‘guerrilha’
Ela e seu grupo lutariam mesmo desarmados
Dilma e seu grupo desrespeitariam a lei

X desistiriam de lutar por seus ‘ideais’
X lutariam mesmo desarmados
X desrespeitariam a Lei