A política monetária é neutra no longo prazo?

Is monetary policy really neutral in the long-run? Evidence for some emerging
and developed economies
Reginaldo Pinto Nogueira Jr.
Fundação João Pinheiro, Brazil
Abstract
The traditional economic theory suggests that changes in the money supply or in the interest rates can influence the
business cycle, but not the long-run potential output. In other words, monetary policy is neutral over the long-run. In
this paper we use some new developments in econometrics to test for the existence of a long-run relationship between
the monetary policy instrument used by most Central Banks – short-term interest rates – and real output. Using annual
data for 14 emerging and developed countries our results offer overall support for the traditional economic theory.

Is monetary policy really neutral in the long-run? Evidence for some emerging and developed economies

Reginaldo Pinto Nogueira Jr. – Fundação João Pinheiro, Brazil

Abstract

The traditional economic theory suggests that changes in the money supply or in the interest rates can influence the business cycle, but not the long-run potential output. In other words, monetary policy is neutral over the long-run. In this paper we use some new developments in econometrics to test for the existence of a long-run relationship between the monetary policy instrument used by most Central Banks – short-term interest rates – and real output. Using annual data for 14 emerging and developed countries our results offer overall support for the traditional economic theory.

Reaper: um ministério infernal

O pessoal do misticismo já pode festejar: um ministro vê em forças ocultas a causa dos problemas do Brasil. Cada povo tem o governo que merece, versão misticismo.

Às vezes tenho a sensação de que há forças políticas que são possuídas por um pensamento demoníaco…

Google Domestic Trends

O Kenji me envia um interessante post sobre o uso do R pelo Varian (o economista-chefe da Google, para o desespero dos nossos pterodoxos). A novidade é que a Google está melhorando a disseminação de informação com o tal Google Domestic Trends.

Eis a prova de que expectativas são racionais (ou de que pessoas não são estúpidas): se há informação, você a busca em sua forma mais atual para minimizar perdas. Se você consegue o máximo com a informação atual, ok, racional. Se se aproxima, ok, você tentou. Mas ninguém pode dizer que você queria ser irracional.

Veja por exemplo aquela questão do Kenji sobre relações sociais na Web. O cara entra no blog e solta uma falta de educação porque nem se importa com o que o Kenji escreveu. Outro leitor, mais preocupado em usar as informações do blog dele e aprender, se porta como gente (civilizada). Dependendo do objetivo, a ação racional ou é a falta de educação ou o seu contrário. Simples assim.

No meu caso, são os carinhas que entram aqui e xingam/cospem impropérios porque não gostaram de um post. Claro, não vem muito aqui, chega, não pensa muito (ou não consegue pensar muito além do umbigo), xinga e vai embora. Outros ficam, pensam, decidem se voltam ou não e por aí vai. Maximizar o bem-estar dado o tempo disponível para passear na internet também é racional, mesmo que você pense que não é racional…

Blogosfera – além do biscoito polvilho

Biscoito polvilho, diz meu colega Coutinho, faz muito barulho e tem pouco conteúdo. Muitas vezes os posts dos blogs (este incluso) ficam curtos e, portanto ,viram biscoito polvilho. De vez em quando, esta regra é quebrada. Eis um exemplo. Resumo da ópera: há uma discussão sobre política monetária na blogosfera e o amigo aí faz um teste simples. Bacana, não tão superficial e informativo.